Após 11 meses internado, Arthur, filho de Zé Vaqueiro e Ingra Soares, passou por uma cirurgia de traqueostomia nesta quarta-feira (26).

A criança de apenas 11 meses de idade, que luta contra a síndrome de Patau, tem estado sob cuidados intensivos desde o nascimento. O procedimento cirúrgico foi bem-sucedido, conforme relatou Ingra, que expôs a verdade por trás da batalha constante pela vida do filho.

Aos 11 meses, Arthur enfrentou uma cirurgia delicada. Ingra Soares compartilhou a difícil jornada do filho, dizendo: “Meu amorzinho acabou de voltar da sala de cirurgia. Fez traqueostomia e correu tudo bem. Você é tão forte meu amor. Estamos lutando por você.”

Arthur nasceu com a síndrome de Patau, uma condição genética rara e grave. Zé Vaqueiro revelou que a doença do filho o fez adotar novos hábitos e atitudes drásticas para se adaptar à realidade da família. A síndrome de Patau, também conhecida como trissomia do cromossomo 13, afeta cerca de um em cada quatro mil nascimentos e pode levar a múltiplas complicações de saúde.

Na última segunda-feira (24), Arthur completou 11 meses de vida. Ingra, sempre ao lado do filho, registrou o momento especial e compartilhou a imagem que viralizou: “11 meses de vida e muita força! Meu pequenino”. A empresária também expressou preocupação com a quantidade de crianças internadas com pneumonia no hospital onde Arthur está, revelando o medo constante que enfrenta.

Síndrome de Patau: Um Desafio Constante

Zé Vaqueiro, Ingra Soares e o filho Arthur (Foto: Reprodução Instagram)
Zé Vaqueiro, Ingra Soares e o filho Arthur (Foto: Reprodução Instagram)

Arthur foi diagnosticado com a síndrome de Patau ainda no útero. Ingra desabafou sobre o impacto emocional do diagnóstico: “Quando eu soube do diagnóstico, eu interrompi tudo… Só queria que fosse menino pra poder ficar no quarto com o Daniel, fazer a caminha igual e tudo.”

O geneticista Marcos Aguiar explica que crianças com síndrome de Patau frequentemente enfrentam desafios significativos, desde o nascimento prematuro até múltiplas anormalidades congênitas. “O desenvolvimento dessas crianças, muitas vezes, leva ao aborto. No entanto, quando o bebê nasce ele pode ter muitas anormalidades que podem levar ao óbito antes de um mês.”

Ingra refletiu sobre sua experiência, revelando como a situação a fez repensar suas prioridades: “Alguns pontos mais importantes, a gente deixa passar, que é de pedir a Deus, que venha com muita saúde…”. Ela também se sentiu julgada nas redes sociais, mas continuou focada na saúde do filho: “Eu lembro que quando começou a sair algumas coisas na internet, muitas mulheres vieram comentar nas minhas fotos: ‘Ah, ela nem tem fotos gestante, não fez fotos na gravidez do Arthur’.”

No hospital, ao lado do filho, Ingra desabafou sobre a difícil realidade que enfrenta: “Fico olhando todos esses aparelhos, todo o contexto assim, da situação, e fico me perguntando o quanto é difícil, o quanto a gente tem que ser forte. Somente agradecer a Deus.”

Ingra finalizou com um conselho cheio de esperança: “Se você pensar muito no amanhã, sua vida se resumirá em tristezas. Não fique ansioso. Só pense que o amanhã será maravilhoso, cheio de bençãos. O dia de amanhã só pertence a Deus.”

A história de Arthur e sua família é um testemunho de força, resiliência e fé. Eles continuam lutando contra as adversidades, inspirando a todos com sua coragem e determinação.

Share.