Lei Rouanet: Saiba quais são os cantores sertanejos que vão usar a lei em 2023

Lei Rouanet: veja os cantores sertanejos que aproveitarão da lei em 2023. (Foto: Reprodução/ Governo Federal)
Lei Rouanet: veja os cantores sertanejos que aproveitarão da lei em 2023. (Foto: Reprodução/ Governo Federal)

Sertanejos e Lei Rouanet não foram palavras muito amistosas, mas saiba os cantores sertanejos que vão utilizar verba do recurso para 2023.

Ano passado, em 2022, com ainda muita tensão e embate político por meio das eleições, a Lei Rouanet foi prato cheio para sertanejos manifestarem seus discursos pró-Bolsonaro, servindo para não só espalhar confusões a respeito da funcionalidade do recurso, mas também dividir o público e a classe artística.

Como não recordar do grande estopim da polêmica – em maio de 2022 -, envolvendo o cantor sertanejo Zé Neto, da dupla Zé Neto & Cristiano, e a cantora Anitta, que travaram farpas começadas pelo sertanejoA ocasião, para dar um refresco na memória, iniciou com a fala de Zé Neto em seu show, dizendo que não dependia da Lei Rouanet e que não precisava fazer uma “tatuagem no ‘toba’ para mostrar se a gente está bem ou mal”.

Ministra da Cultura Margareth Menezes. (Foto: Reprodução/ Gazeta do Povo)
Ministra da Cultura Margareth Menezes. (Foto: Reprodução/ Gazeta do Povo)

De lá para cá, outros cantores e artistas se juntaram à briga, que resulta em discordâncias e assuntos até hoje. Com a eleição de Lula e a volta do Ministério da Cultura, ministrada por Margareth Menezes, mais de R$1 bilhão serão destinados para a Lei Rouanet e, segundo o que foi publicado no Diário Oficial da União, 457 projetos culturais já foram autorizados no longo processo de triagem e burocracia.

Porém, o que chamou atenção no resumo dos mais de 450 projetos confirmados pela Ministra da Cultura foi a aprovação de projetos envolvendo 2 cantores sertanejos e 1 evento de agronegócio, que, por base, são críticos insistentes contra a Lei Rouanet, que agora poderão ter o direito deles sendo atendido com o pedido de recurso financeiro – uma vez que são os artistas que procuram o Ministério e apresentam as ideias dos projetos que precisam da verba.

Os dois cantores sertanejos que procuraram e conseguiram a verba da Lei Rouanet são Rayan Barreto e Gabriel Valim, de Goiânia e Santa Catarina, respectivamente.

Rayan Barreto e Gabriel Valim, respectivamente. (Movimento Country/ internet)
Rayan Barreto e Gabriel Valim, respectivamente. (Movimento Country/ internet)

Rayan conseguiu o valor de quase R$200 mil para produzir um DVD ao vivo com duração de 45 minutos, enquanto Gabriel conseguiu uma verba com o valor mais que o dobro de Rayan Barreto, de R$497 mil. O montante alto é justificado, no Diário, para uma turnê pelo Sul do país que o cantor catarinense fará, com seus shows sendo totalmente gratuitos para o público sulista.

O evento de agronegócio, aprovado pela Lei Rouanet, foi apontado pelo Diário da União como “O Natal do Agronegócio”, de Ourinhos, interior de São Paulo. Descrito com o intuito de  “mostrar em toda a sua brasilidade a base da economia do país” – com direito a desfiles de Noeletes (ajudantes do Papai Noel); doação de brinquedos; renas, Papai Noel e Mamãe Noel em tamanho real; e caminhões iluminados que vão percorrer 12 municípios o centro-oeste paulista e do norte do Paraná.

Hipocrisia? Artistas sertanejos críticos à Rouanet que ganharam verba pública

“Nosso cachê quem paga é o povo”, disse Zé Neto em um show em que criticou a lei de incentivo à cultura. Usando a tese de que a Lei Rouanet desperdiça dinheiro para a realização de shows, os sertanejos caíram em peso e não economizaram papas na língua.

Mas alguns artistas, sobretudo cantores sertanejos, ganham cachês astronômicos pagos por prefeituras para a realização de shows, a maioria em regiões mais afastadas onde o dinheiro é mais precário. Agora com um novo mandato, as quedas devem ser maiores.

Zé Neto teve valores de seu cachê vazado pelo jornalista Demétrio Vecchioli, recebendo quantias de, por exemplo,  R$400 mil da prefeitura de Sorriso (MG), R$180 mil da pequena cidade de Campos Gerais e R$550 mil da prefeitura de Extrema – ambas em Minas Gerais. Os valores apresentam 188% de superfaturamento na quantia, que não sofre nenhuma licitação por ser contratada pela própria prefeitura.

Sérgio Reis, cantor e ator que vai gravar um DVD no Shopping Bourbon, em São Paulo, nesta quarta-feira (25), também entra no mesmo caso. Apesar de ter tentado desviar do assunto, Sérgio já recebeu R$ 126 mil do governo do Paraná, em 2021, por campanhas publicitárias; e  R$ 398 mil diretamente da Sest (Serviço Social do Transporte) e o Senat (Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte) por divulgação de iniciativas nas redes.

Mateus e Cristiano, dupla sertaneja responsável pelo jingle “Capitão do Povo”, destinado a Jair Bolsonaro, captou mais de R$1,9 milhão usando a Lei Rouanet: R$ 1,7 milhão foi para a gravação de um DVD oriundo de um show ao vivo e uma turnê com seis apresentações gratuitas (em 2017); e R$199 mil para um outro DVD, em 2020, com canções inéditas.

lytics>
Estudante de Jornalismo (até novembro de 2023). Redator multieditorial do Movimento Country. Dê uma olhada nas minhas redes sociais!