Simone e Simaria revelam o cachê que recebiam no início da carreira

Dupla de sucesso, Simone e Simaria relembraram o passado pobre no início da carreira em que sobreviviam com apenas R$ 30 por semana. O dinheiro vinha do trabalho numa banda em que cantava

Simone e Simaria, que hoje são uma dos maiores cachês sertanejos do Brasil recordaram o começo da carreira e as dificuldades da vida no programa Tamanho Família, que encerra a temporada no próximo domingo (21). Para compor o time da família Mendes no sofá da atração, as cantoras levaram a mãe Mara e o irmão Caio.

VEJA TAMBÉM: Nasce a filha do cantor Juliano, da dupla Henrique e Juliano

Elas já cantaram muitos estilos, fizeram sucesso com forró, até que um sonho mudou tudo. “Simaria teve um sonho de que a gente tinha que gravar um DVD e tinha que ser sertanejo. Em 15 dias gravaríamos o maior estouro, que ficou pronto a dois dias da gravação”, lembra Simone, que se inspirou na irmã, ainda criança, para entrar para o mundo da música.

Início da carreira

“Comecei a cantar com sete anos e participava de todos os concursos que tinham no interior da Bahia. Depois que a Simone me viu cantando, também quis cantar. Foi uma época de muito aprendizado”, conta Simaria. Foi cantando juntas que elas conseguiram dinheiro para encontrar a mãe, em São Paulo, quando ela se mudou para tentar uma vida melhor para a família. “Em São Paulo, eu cantava numa banda e ganhava R$ 30 por semana. Era o dinheiro das frutas da semana. Foi ali que apareceu a oportunidade de conhecer o Frank Aguiar, que logo começou a fazer muito sucesso”, diz a cantora.

VEJA TAMBÉM: Receba notícias atualizadas do Movimento Country no Messenger

Na competição, Simone e Simaria vão competir com Leandro Hassum, que conta como conheceu a esposa. “Nos conhecemos no teatro e começamos a namorar. Com um ano de namoro ela engravidou e eu não tinha um tostão. A gente fazia a mesma peça infantil e recebia R$ 25 reais por apresentação. Fazíamos quatro apresentações para tentar sair dali com 200 reais para comprar fralda”, lembra o humorista que, admite, é colado na família.

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.